Onde voce deseja procurar?

  • Arquidiocese
  • Paróquias
  • Clero
  • Pastoral
  • Liturgia
  • Cursos
  • Comunicação

Você está em:

  1. Home
  2. Comunicação
  3. Notícias
  4. Série Oração do Cristão

08/01/2021

Série Oração do Cristão

Ave Regina Caelorum: Oração, poesia e canção

Série Oração do Cristão - Notícias - Arquidiocese de Goiânia

Ave, Rainha do Céu;
ave, dos anjos Senhora;
ave, raiz, ave, porta;
da luz do mundo és aurora.

 

Exulta, ó Virgem tão bela,
as outras seguem-te após;
nós te saudamos: adeus!
E pede a Cristo por nós!

 

A oração em forma de música “Ave Regina Caelorum”, ou “Ave Rainha do Céu”, compõe uma das belas canções recitadas na Liturgia das Horas, rezada nas Completas, última oração do dia que antecede o grande silêncio nos mosteiros, nas congregações religiosas, institutos, seminários e na vida cotidiana dos sacerdotes e diáconos. Na Arquidiocese de Goiânia, por vezes, ela é sugerida, no folheto litúrgico, depois da oração após a comunhão.

 

Sobre sua origem e autoria pouco se sabe, talvez remeta ao século XII e, por se tratar do período de São Bernardo, acredita-se que ele tenha desenvolvido essa oração, já que o santo desfrutava de um amor ímpar a Santa Mãe de Deus. Sabe-se que nas festas litúrgicas do século XIV, com papa Clemente VI, a oração já era cantada em forma de antífona durante a Quaresma.

 

Essa oração, com seu aspecto de poesia, faz parte do grande acervo católico das recitações dedicadas à Virgem Maria Mãe de Deus e Rainha do Universo. O título, como em várias orações, vem em no primeiro verso, ornamentando sua métrica: “Ave Rainha do Céu”; também já é a chave de leitura do texto.

 

Seu contexto teológico é admirável, pois retrata com serenidade e vigor o reconhecimento de quem é Maria Santíssima. Inicia com a saudação e o louvor do anjo a Maria, em que o próprio Deus, pela boca do anjo, a saúda. O anjo se inclina diante de uma Mulher, reverencia a Virgem com “Ave”, isto é, “Salve”; “Alegra-te”, situação nunca vista na história bíblica. A oração demonstra a grandeza dessa mulher, ela é “Rainha do Céu” (cf. Ap 12,1), logo, é dos “anjos Senhora”.

 

Um dos critérios para compreender as figuras e os símbolos relacionados a Maria, muito usado para o Antigo Testamento, é a tipologia, que através de acontecimentos, pessoas e fenômenos, é possível, por analogia, prefigurar a imagem de Maria, como é o caso dos termos: raiz, porta e luz. O termo “raiz” refere-se à raiz fecunda, isto é, recorda que a Virgem Maria já está presente no mistério da encarnação do Verbo, simbolizando, assim, a genealogia, desde Davi, que culminará no nascimento de Jesus.  Maria é a “porta” do céu, através dela a humanidade pode chegar ao encontro de seu Filho Jesus.  Da mesma forma que a Arca da Aliança (cf. Ex 25,10-22) era o sinal da presença de Deus, Maria é o templo vivo de Deus feito homem, por Ela veio a luz ao mundo (cf. Gl 4,4): “da luz do mundo és aurora”.

 

A segunda estrofe oracional faz referências às peculiaridades medianeiras de Nossa Senhora: “Exulta, ó Virgem tão bela, as outras seguem-te após; nós te saudamos: adeus! E pede a Cristo por nós”; que pode ser traduzido da seguinte forma: “rejubila, ó Virgem gloriosa entre todas a mais bela. Alegra-te pelo esplendor radioso e interceda a seu Filho por nós”.

 

Maria é a Virgem tão bela e é a serva tão simples. Ela, que é Rainha dos Céus e dos anjos, Senhora, mostra-nos o quanto é digno ao olhar de Deus que a Rainha também seja a serva. Por isso, devemos honrar a Mãe de Deus e sermos sempre servos ao seu exemplo. A serva e pequena filha de Deus não é como aquela escrava que, por medo, faz tudo que quer o seu senhor, mas aquela que compreende que é pequena demais diante de tão grande esplendor e glória que é Deus, que se coloca à disposição como quem serve e se faz servente, servidora para o bem do próximo.

 

No desejo de seguir o exemplo de Maria, podemos saudá-la com as seguintes palavras: “Se existe entre os mortais algum nome tão belo, cheio de graça, que mereça ser escrito, lido, louvado, pintado e esculpido é o de Maria, já que é digno de estar sempre diante dos olhos, nos ouvidos e nas mentes de todos os homens e de ser pronunciado em particular e publicamente com imensa reverência” (São Pedro Canísio, Doutor da Igreja, séc. XVI).

 

Pe. Vilmar Barreto

 

Confira aqui as orações anteriores:

 

1º - Pai Nosso, a oração do senhor

 

2º-  Ave-Maria, a oração de exultação e súplica

 

3º - Salve Rainha: a oração de quem confia sua vida à proteção da Virgem Maria

 

4º - Eu creio: a profissão de fé cristã

 

 - Santo Anjo do Senhor, companheiro de todo tempo

 

6º - “À vossa proteção”: a oração mariana mais antiga


7º - “Senhor, fazei de mim um instrumento de vossa paz” A oração simples


8º - Como “coisa e propriedade” Vossa!

 

Pelo sinal da Santa Cruz: Livra-nos do mal