Onde voce deseja procurar?

  • Arquidiocese
  • Paróquias
  • Clero
  • Pastoral
  • Liturgia
  • Cursos
  • Comunicação

Você está em:

  1. Home
  2. Comunicação
  3. Notícias
  4. Vicariato para a Saúde

09/03/2018

Vicariato para a Saúde

Violências estrutural e doméstica são discutidas pela Pastoral da Saúde

Vicariato para a Saúde - Notícias - Arquidiocese de Goiânia

Foi realizado no dia 24 de feve­reiro, na Paróquia São Paulo Após­tolo, o Encontro de Formação dos Agentes da Pastoral da Saúde, sob a coordenação do vigário episcopal para a Saúde, padre Márcio Almei­da do Prado, PODP. No encontro, o palestrante convidado, padre Luís Fernando da Silva, secretário execu­tivo da Campanha da Fraternidade de 2018, falou sobre a violência na saúde e os vários tipos de violência que assolam os mais pobres, que têm seus direitos fundamentais in­validados. Foi enfatizado que a vio­lência estrutural ocorre por meio da corrupção e desvios de verbas, atin­gindo diretamente os necessitados. Segundo ele, “a violência estrutural é essa correlação que existe entre a vulnerabilidade social e o aumento da violência, uma dupla vitimização dos mais pobres, vítimas da pobreza e da violência”.

O padre também apresentou in­formações relacionadas às vítimas e dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre a violência do­méstica, mais especificamente con­tra o idoso. Segundo os dados, um em cada seis idosos já sofreu violên­cia dentro de casa.

Em seguida, frei Afonso Lam­berti, da Paróquia Santa Clara e São Francisco, falou sobre o Ano do Laicato e a missão do leigo junto ao irmão que sofre. Ele destacou a importância das visitas dos agentes da Pastoral da Saúde aos doentes da comunidade, explicando que esses agentes precisam saber identificar as necessidades dos enfermos para poder ajudá-los da melhor forma possível. “Muitas vezes, a pessoa precisa apenas ser ouvida para que se sinta melhor. Eu acredito que nossa sociedade tem vivido de uma forma que a leva ao isolamento. As pessoas acabam enfrentando o sofri­mento de um modo mais solitário. O encontro e o trabalho de quem visita é essencial para as pessoas no momento em que se sentem sozi­nhas pelo sofrimento”, disse o frei.