Onde voce deseja procurar?

  • Arquidiocese
  • Paróquias
  • Clero
  • Pastoral
  • Liturgia
  • Cursos
  • Comunicação

Você está em:

  1. Home
  2. Comunicação
  3. Vida Cristã
  4. Campanha da Fraternidade 2020

16/03/2020

Campanha da Fraternidade 2020

“O sentido da vida como dom e compromisso”

Campanha da Fraternidade 2020 - Vida Cristã - Arquidiocese de Goiânia

 

Já é tradição da Igreja Católica no Brasil a Quarta-feira de Cinzas ser um marco para duas frentes:  o início da Quaresma (período preparatório de 40 dias para a Páscoa do Senhor) e a Campanha da Fraternidade (CF), promovida pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) desde 1964, que em cada ano reflete sobre uma temática específica, como saúde, trabalho, educação, moradia, violência, família, políticas públicas, entre outras.

 

A passagem bíblica escolhida como lema da CF 2020 é a clássica parábola do “Bom Samaritano”, em que o sacerdote e o levita desviam-se do homem ferido, pois não tinham tempo para ele e o samaritano aproxima-se da vítima dos salteadores e, movido pela compaixão, gasta seu tempo nos cuidados com ela.

 

Na realidade brasileira, a representação de um “Bom Samaritano” é a vida e missão de Irmã Dulce, também chamada de “Santa Dulce dos Pobres” e o “Anjo Bom da Bahia”, por suas obras de assistência à saúde e atendimento das necessidades urgentes dos mais pobres na Bahia. Por isso, sua imagem cercada de pessoas no Pelourinho, Salvador, foi a escolhida para ilustrar a CF deste ano.

 

O objetivo geral da CF 2020 é conscientizar, à luz da palavra de Deus, para o sentido da vida como dom e compromisso, que se traduz em relações de mútuo cuidado entre as pessoas na família, na comunidade, na sociedade e no planeta, nossa Casa Comum. O tema vai desde a questão do aborto, dos pobres, situações como depressão, automutilação, número de pessoas desaparecidas, até a questão ecológica.

 

Para viver a CF 2020, a perspectiva do cuidado perpassa as três formas indicadas por padre Patriky Samuel Batista, secretário executivo de Campanhas da CNBB: conversão pessoal, renovação na família e ações em comunidade.

 

No horizonte da conversão pessoal, o convite é à reflexão: “O que me faz parar? O que me tem feito parar? O que é capaz de interromper a minha rotina? O que desperta o meu coração, a minha vida para cuidar daquilo que está à beira do caminho?”, sugere padre Patriky. 

 

Para promover as relações de mútuo cuidado, o texto-base da CF 2020 resgata das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE 2019-2023) o termo “comunidade-casa” (comunidades eclesiais missionárias) e indica que esse deve ser “o lugar do afeto, da ternura e do abraço, do encontro fraterno em torno da Palavra e da Eucaristia que geram vida” e que são enviadas a enfrentar todo tipo de exclusão e a promover ações concretas de solidariedade e de inclusão. “Essa comunidade é chamada a atuar no mundo como comunidade em saída rumo às periferias humanas e existenciais.” Também indica que “a comunidade gera vida pela proclamação da Palavra e pela vivência da fraternidade”.

 

A terceira parte do texto-base, “Cuidou dele”, indica uma série de iniciativas que podem inspirar a ação das comunidades eclesiais missionárias, em vista do cuidado com o próximo: “primeirar” (ter iniciativa); envolver (rodas de conversa, cooperativismo, parcerias); acompanhar (famílias enlutadas, celebração da palavra, visitas missionárias); frutificar (formar novas comunidades) e festejar (confraternizar nos aniversários, nascimentos, conquistas, promover iniciativas que favoreçam a amizade entre as pessoas, como passeios, mutirões, ações caritativas e ecológicas).

 

Ainda são indicados outros quatro verbos inspirados na relação com os migrantes, proposta pelo papa Francisco: acolher, proteger, promover e integrar.

 

Agir como o “Bom Samaritano”, que viu, sentiu compaixão e cuidou, é a principal motivação da CF 2020, convocando-nos a refletir sobre o significado mais profundo da vida e a encontrar caminhos para que esse sentido seja fortalecido e até mesmo reencontrado, pois quando nos dispomos a cuidar uns dos outros, a vida recobra um novo sentido. “Não se pode viver a vida passando ao largo das dores dos irmãos e das irmãs”, diz um trecho do texto-base.

 

Ser capaz de sentir compaixão é a chave da obediência à vontade de Deus. Ver, ter compaixão e cuidar é o autêntico Programa Quaresmal. Não temamos se nos sentirmos pequenos diante dos problemas!

 

Suelena Carneiro Caetano Fernandes Jayme
Membro da Unijuc