Onde voce deseja procurar?

  • Arquidiocese
  • Paróquias
  • Clero
  • Pastoral
  • Liturgia
  • Cursos
  • Comunicação

Você está em:

  1. Home
  2. Comunicação
  3. Notícias
  4. 88 anos de Goiânia

22/10/2021

88 anos de Goiânia

A Igreja e a fundação de Goiânia

88 anos de Goiânia - Notícias - Arquidiocese de Goiânia

A cidade de Goiânia, capital do estado de Goiás, foi fundada em 24 de outubro de 1933. Mas, desde a Proclamação da República, em 1889, a transferência da capital goiana da cidade de Goiás era estudada. Em 20 de dezembro de 1932 foi nomeada uma comissão por Decreto do Interventor Pedro Ludovico Teixeira, cujo presidente era o arcebispo de Goiás, Dom Emanuel Gomes de Oliveira. “Ao aceitar o convite, Dom Emanuel solicitou que, após a mudança da sede administrativa do Estado, fossem garantidos à Cidade de Goiás os meios para se manter e progredir”, é o que diz o telegrama de Dom Emanuel a Pedro Ludovico, em 30 de dezembro de 1932.

 

Relembrar as origens de Goiânia é destacar dois grandes acontecimentos nos quais se edifica a cidade: a consagração à materna proteção de Nossa Senhora Auxiliadora e a adoração eucarística a Jesus Cristo. A Igreja acompanhou com zelo e cuidado a criação da nova capital, sendo testemunha e coadjuvante no processo.

Foto: Hélio de Oliveira (O Popular)

Na Carta Pastoral “Deus te abençoe, Goiânia!”, vemos que “no dia 27 de maio de 1933, quando da roçagem do local da futura cidade, o padre Conrado Kolman, da comunidade redentorista de Campinas, celebrou a primeira missa, à sombra de frondosa árvore e o canto foi entoado pelas alunas do Colégio Santa Clara”, que este ano celebra seu centenário.

 

Em 24 de outubro desse mesmo ano aconteceu o lançamento da pedra fundamental de Goiânia. O padre redentorista Agostinho Folster, “celebrou a Eucaristia evocando Cristo, a rocha, a pedra fundamental de nossa fé”. Aconteceu também, em 5 de julho de 1942, o Batismo Cultural de Goiânia. “O ponto alto das comemorações foi a Missa Solene presidida por Dom Emanuel Gomes de Oliveira, arcebispo de Goiás. Na celebração eucarística, ocorrida na Praça Cívica, após o Evangelho, Dom Aquino Correia, arcebispo de Cuiabá e membro da Academia Brasileira de Letras, ascendeu à tribuna e proferiu bela e emocionante oração congratulatória. “O alicerce eucarístico da cidade foi ainda mais explicitado em 1948, com a realização do Congresso Eucarístico em Goiânia. E se pereniza no tempo, como manifestação pública, com a celebração do Corpus Christi, realizada na Praça Cívica” (Trechos retirados da Carta Pastoral “Deus te abençoe, Goiânia!”, de 24 de outubro de 2013).

 

Nossa Senhora Auxiliadora, Mãe de Goiânia

A escolha da Padroeira de Goiânia e também da Arquidiocese aconteceu por intermédio de Dom Emanuel, arcebispo de Goiás. “Em 24 de maio de 1935 foi lançada a pedra fundamental da nova Catedral, para que, assim, iniciasse a sua construção. A data escolhida tinha um valor simbólico, pois era o Dia de Nossa Senhora Auxiliadora. Dom Emanuel Gomes de Oliveira, arcebispo de Goiás, era salesiano. Logo, ele tinha uma fiel devoção a Nossa Senhora Auxiliadora, devido a sua congregação religiosa. Assim, escolheu este título de Nossa Senhora para a nova Catedral que seria construída”, como explica o padre Maximiliano Costa, mestre em História e pároco da Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora, em Senador Canedo.

Pedra fundamental da primeira igreja de Goiânia, em 1935

A Bênção do primeiro templo religioso de Goiânia foi oficiada por Dom Emanuel Gomes. “A Santa Missa, celebrada pelo Monsenhor Abel, foi à sombra de uma árvore do Cerrado. O altar rústico estava encimado por um singelo quadro da Virgem Auxiliadora. Era intenção da paraninfa da solenidade, Dona Gercina Borges Teixeira, esposa do Senhor Interventor, colocar sob o patrocínio da Virgem Auxiliadora a cidade que seria a nossa bela Goiânia. Isso com o beneplácito jubiloso do Senhor Arcebispo que, como bom salesiano, ficou feliz em ter ‘a Virgem de Dom Bosco’ como Padroeira da Cidade e da Arquidiocese de Goiânia” (Palavras usadas para descrever esse importante momento foram ditas pelo saudoso Monsenhor Nelson Rafael Fleury, em seu livro Notas históricas, 2007). 

 

O primeiro vigário da nova Igreja foi o cônego Abel Ribeiro Camelo, nomeado pelo arcebispo em 22 de dezembro de 1937. No dia 25 de dezembro, Solenidade do Natal, aconteceu a missa de posse, com a presença de Dom Emanuel, autoridades políticas e a comunidade local. “Nesta ocasião instalou a Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora de Goiânia. Esta celebração foi precedida por uma novena que teve início no dia 16 de dezembro, contando com a organização e participação da elite goianiense, sob a liderança de dona Gercina Borges, primeira dama do estado, que era muito católica. No dia 24 de dezembro, às 5 horas da manhã, a cidade foi despertada pela Banda Militar, liderada pelo coronel Arnaldo de Morais Sarmento, que executou um vasto repertório e percorreu as ruas de Goiânia”, como explica padre Maximiliano Costa. Também no mesmo dia, às 19h, o arcebispo Dom Emanuel Gomes, acolitado pelo cônego Abel Ribeiro e padre Peclat, realizou a bênção solene da imagem de Nossa Senhora Auxiliadora que seria colocada na nova igreja. “Antes da meia-noite o templo já estava repleto de pessoas que, com grande fé e piedade, participaram da Missa Solene do Galo, que foi cantada pelo coral do Colégio Anchieta “Scola Cantorum”, regido pelo maestro, padre José Valentim”, conclui.

 

 

Oração

Pela intercessão de Tua e nossa Santa Mãe Auxiliadora, Padroeira de Goiânia, concede-nos um futuro de paz, de justiça, de pão, de fraternidade, de beleza, de vida e de felicidade (Dom Washington Cruz, CP)

 

Gabriela Rodrigues