Onde voce deseja procurar?

  • Arquidiocese
  • Paróquias
  • Clero
  • Pastoral
  • Liturgia
  • Cursos
  • Comunicação

Você está em:

  1. Home
  2. Comunicação
  3. Notícias
  4. O sentido da Cátedra do arcebispo

28/04/2021

O sentido da Cátedra do arcebispo

Uma cadeira especial para o arcebispo. Por quê?

O sentido da Cátedra do arcebispo - Notícias - Arquidiocese de Goiânia

 

Quem conhece a Catedral Metropolitana de Goiânia já deve ter reparado que ao fundo da abside da igreja (atrás do altar) há uma cadeira especial abaixo da imagem da Padroeira Nossa Senhora Auxiliadora. Já deve ter observado também que ela é pouco utilizada, mas algumas vezes Dom Washington Cruz, nosso arcebispo metropolitano, senta nela como podemos ver na foto tirada no dia 24 de outubro de 2020, aniversário de 87 anos de Goiânia. Aquela simbólica cadeira é chamada de Cátedra episcopal, daí o nome da igreja Catedral. A palavra Cátedra vem do grego, Kathedra, de kata (no alto) e hedra (assento), da mesma raiz da palavra cadeira.

 

A Catedral é a igreja do bispo e a Igreja Mãe de todas as outras da diocese, portanto, o bispo é o pároco que usa essa igreja regularmente para as celebrações litúrgicas e da cátedra ele governa a diocese. A Cátedra é uma tradição antiga herdada pela Igreja Católica. Quando a cadeira não era um objeto comum, era desse acento que os líderes governavam. Na educação, a cadeira era utilizada somente pelo professor que, enquanto lecionava, os alunos ficavam de pé ouvindo. Foi daí que surgiu o professor catedrático, isto é, o titular de uma cátedra na universidade, título mais alto do conhecimento, que depois foi substituído por professor titular.  A cadeira era um sinal de poder, ficava em um lugar alto, tinha um espaldar elevado e sentava-se nela quem detinha o saber, aquele que ministrava as aulas.

 

A Cátedra talvez seja o símbolo mais antigo do ministério episcopal, bem como do magistério do bispo e da sua autoridade pastoral. Nessa cadeira especial, apenas o pastor da diocese senta-se e, quando um padre preside celebrações nesta igreja, ele o faz de outra cadeira. É da Cátedra ainda que o bispo guia o caminho dos fiéis na fé, na esperança e na caridade.

Cátedra de Goiânia foi a Cátedra de São Pedro por algumas horas

No site da Catedral Metropolitana de Goiânia é possível fazer um tour virtual pelos principais pontos desta igreja que já tem 84 anos. Nesta página virtual que está no endereço www.catedralgo.org.br é possível saber um pouco mais sobre a nossa Cátedra que tornou-se muito especial no dia 15 de outubro de 1991, quando, por algumas horas, passou a ser a Cátedra de São Pedro. É que se sentou nela, naquele memorável dia, São João Paulo II, que em nossa cidade de Goiânia presidiu a celebração da Palavra para cerca de 500 mil fiéis. Saiba mais, clique aqui https://www.catedralgo.org.br/tour.

 

Cátedra de São Pedro

A Igreja celebra no dia 22 de fevereiro, a Festa da Cátedra de São Pedro para nos lembrar do primado do apóstolo Pedro. Essa festa é celebrada desde o século IV e sua importância se dá porque nos recorda da autoridade que Jesus deu a Pedro, quando disse: “E eu digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela” (cf. Mt 16,18). A Cátedra de São Pedro, que está na basílica de mesmo nome, em Roma, foi um presente do Rei de França (840 a 875 d.C), Carlos II (O calvo) ao papa João VIII no século IX que, segundo a tradição, foi dada a ele na ocasião de sua viagem a Roma para sua coroação como imperador romano do ocidente. A relíquia é uma composição barroca construída entre 1656 e 1665 por Gian Lorenzo Bernini.

 

Curiosidade

Uma curiosidade é que a Catedral do papa não é a Basílica de São Pedro, mas sim a Basílica de São João de Latrão, por ser a igreja mais antiga de Roma. A Basílica de São Pedro faz parte do grupo das chamadas Basílicas papais, com as demais: São Paulo Fora dos Muros, Santa Maria Maior e São João de Latrão. A Catedral do papa é denominada também de “Omnium urbis et orbis Ecclesiarum Mater et Caput”, ou seja, “Igreja mãe e cabeça de todo o mundo”.

 

Fúlvio Costa