Onde voce deseja procurar?

  • Arquidiocese
  • Paróquias
  • Clero
  • Pastoral
  • Liturgia
  • Cursos
  • Comunicação

Você está em:

  1. Home
  2. Comunicação
  3. Notícias
  4. Dom Emanuel Gomes de Oliveira, um pouco de sua história

05/04/2021

Dom Emanuel Gomes de Oliveira, um pouco de sua história

Série História da Igreja em Goiás

Dom Emanuel Gomes de Oliveira, um pouco de sua história - Notícias - Arquidiocese de Goiânia

A partir de agora, teremos uma série de artigos em nosso jornal Encontro Semanal e  no nosso site sobre a História da Igreja Católica em Goiás. Neste primeiro ciclo, apresentaremos o episcopado de Dom Emanuel Gomes de Oliveira, que foi bispo de Goiás de 1923 a 1955. Emanuel nasceu no dia 9 de janeiro de 1874, em Benevente, atual Anchieta, no estado do Espírito Santo, filho de José Gomes de Oliveira e Maria Matos de Oliveira. Seu pai era tenente coronel do exército brasileiro e faleceu em 1881, quando Emanuel tinha sete anos. Ele foi formado no seio de uma família católica tradicional e, por meio de sua mãe, recebeu os primeiros princípios da fé católica. Com a morte de seu pai, ele e seu irmão, Helvécio, foram tutelados pelo seu tio e padrinho, Quintiliano José do Amaral, vigário de Santo Antônio e cônego da capela imperial, no Rio de Janeiro.

 

Os irmãos Emanuel e Helvécio, futuros bispos da Igreja, receberam do tio Quintiliano a oportunidade de serem formados em dois colégios religiosos. A primeira fase de seus estudos foi feita no Colégio Jesuíta São Luiz, de Itu (SP) (1883-1887). Posteriormente, no regime de internato, estudaram os dois irmãos, os futuros metropolitas de Goiás e Mariana, no Colégio Salesiano Santa Rosa, em Niterói (RJ) (1888-1890), um dos mais tradicionais e conceituados desta época. Emanuel, terminando os estudos básicos, ingressou na Congregação dos Padres Salesianos de Dom Bosco, na cidade de Lorena (SP), onde recebeu o hábito religioso em 29 de janeiro de 1891. Após concluir o noviciado, emitiu os primeiros votos religiosos, como filho de Dom Bosco. Esse acontecimento teve um peso histórico para a congregação por Emanuel ser a primeira vocação nativa salesiana no final do século XIX.

 

Enquanto preparava-se para o sacerdócio, Emanuel dedicou-se como professor em alguns colégios salesianos em cidades como Niterói, Lorena e São Paulo. Em 1901, na cidade de São Paulo, recebeu as ordens maiores das mãos de Dom Antônio Cândido Alvarenga, sendo ordenado padre no dia 16 de junho do mesmo ano.

Sagração Episcopal no Santuário N.S. Auxiliadora-Niterói

 

O início do seu ministério sacerdotal se deu em Lorena (SP), como vice-diretor do Colégio São Joaquim, porém ficou pouco tempo nesta função, sendo transferido para Cuiabá com a missão de dirigir o Liceu São Gonçalo, onde atuou de 1903 a 1911. Em 1911, foi nomeado diretor do Liceu Nossa Senhora Auxiliadora, em Campinas (SP), trabalhando neste colégio até 1917. Em Campinas, ele ampliou o liceu com novas construções, intensificou as obras de assistência social e catequese, como era costume de Dom Bosco e auxiliou na criação da Escola Agrícola Campineira. Após esse trabalho, voltou a Cuiabá, agora com uma missão um pouco diferente daquela que tinha exercido anteriormente.

 

Dom Francisco de Aquino Correia, seu confrade, havia assumido o governo do estado do Mato Grosso e convidou o padre Emanuel Gomes de Oliveira para auxiliá-lo como Diretor Geral das Secretarias e ajudá-lo no controle dos embates políticos regionais que havia naquela época, principalmente em relação às violentas tensões entre as oligarquias mato-grossenses. Nesta função, o padre Oliveira, como era conhecido em Mato Grosso, teve destaque pela sua atuação social em nome da Igreja e do estado. Esse trabalho o possibilitou atuar na política local, conhecer as estruturas de poder e aprender a lidar com as relações políticas.

 

Em 1922, com o final do mandato de Dom Aquino, o padre Emanuel Oliveira foi convidado pelo Núncio Apostólico, Dom Henrique Gasparri, para ser seu auditor temporário na Nunciatura Apostólica. Voltando para o Rio de Janeiro, ele assumiu a direção da casa salesiana de Niterói, a primeira no Brasil, passando também a dirigir o Colégio Santa Rosa na mesma cidade, instituição na qual ele havia estudado e despertado a sua vocação religiosa. Ficou por pouco tempo nesta missão porque logo foi nomeado bispo. Desde sua ordenação sacerdotal, em 1901, até o presente ano de 1922, o padre atuou preferencialmente em duas áreas: educação e política. Recebeu a nomeação episcopal em 27 de outubro de 1922, do papa Pio XI.

 

A sua sagração episcopal aconteceu no Santuário Nossa Senhora Auxiliadora, em Niterói, no dia 15 de abril de 1923. O bispo sagrante foi Dom Henrique Gasparri, Núncio Apostólico, e os co-sagrantes foram Dom Helvécio Gomes de Oliveira, seu irmão e bispo de Mariana, Dom Benedito Alves de Souza, bispo do Espírito Santo, sua terra natal, e Dom Antônio dos Santos Cabral, bispo de Belo Horizonte. Em cinco de agosto de 1923, tomou posse como o sétimo bispo na cidade de Goiás, na Igreja da Boa Morte, que funcionava como Catedral provisória.

 

Pe. Maximiliano Costa
Mestre em História