Onde voce deseja procurar?

  • Arquidiocese
  • Paróquias
  • Clero
  • Pastoral
  • Liturgia
  • Cursos
  • Comunicação

Você está em:

  1. Home
  2. Comunicação
  3. Vida Cristã
  4. Políticas Públicas sob a ótica da fé e ética cristã

13/06/2019

Políticas Públicas sob a ótica da fé e ética cristã

A Igreja tem se pronunciado de diversas maneiras, com documentos importantes, que fundamentam a Doutrina Social da Igreja

Políticas Públicas sob a ótica da fé e ética cristã - Vida Cristã - Arquidiocese de Goiânia

A proposta do Seminário “Ética Cristã e Políticas Públicas” partiu do tema da Campanha da Fraternidade de 2019, “Fraternidade e Políticas Públicas” e lema “Serás libertado pelo direito e pela justiça” (Is 1,27). A Conferência de Religiosos do Brasil – Regional Centro-Oeste (CRB-GO), em parceria com a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), abre espaço para discutir a importância das Políticas Públicas com o objetivo de assegurar direitos sociais conquistados com a participação dos Movimentos Sociais ao longo dos últimos 50 anos.

 

A redução do papel do Estado, por meio da terceirização dos serviços públicos, como: assistência social, transporte, educação, saúde, habitação, segurança pública, entre outros, tem provocado grande impacto na vida das pessoas, sobretudo daquelas que vivem em condição de maior vulnerabilidade social. Essa situação preocupa a Igreja e a Vida Religiosa Consagrada. A Campanha da Fraternidade de 2019 retomou essa preocupação que já foi motivo de reflexão em outras campanhas anteriores.

 

Para contribuir no aprofundamento da reflexão, a CRB Regional realizou, em Goiânia, o Seminário “Ética Cristã e Políticas Públicas”, nos dias 31 de maio a 2 de junho. Ir. Maureen Margaret Finn, da Congregação das Irmãs de São José de Rochester, abriu o Seminário, introduziu o tema e acolheu os participantes e assessores que vieram de várias dioceses do Regional.

 

O Prof. Dr. José Paulo Pietrafesa discorreu sobre o tema: “A Lógica Cultural do Capitalismo Tardio”. Ele destacou que o capitalismo tardio gerou crise no campo da economia, da política, das relações sociais, ambientais e culturais (ética e moral) e referiu-se a uma disjunção esquizofrênica da qual nasce, na sociedade, o conflito. É preciso retomar o espírito de partilha, diminuir o ódio com conhecimento e sabedoria.

 

Frei Paulo Cantanhede (dominicano) refletiu sobre a Doutrina Social da Igreja, com base na Eucaristia como partilha, que implica, diretamente, políticas públicas como responsabilidade social. A Igreja tem se pronunciado de diversas maneiras, com documentos importantes, que fundamentam a Doutrina Social da Igreja.  O frei citou alguns documentos que discutem Políticas Públicas, entre eles a Rerum Novarum, sobre a questão do trabalho; Populorum Progressio, desenvolvimento dos povos para combater a pobreza e a desigualdade. A Laudato Si’ remete a Políticas Públicas que assegurem a sustentabilidade e a proteção ambiental. 

 

Foi realizada uma Roda de Conversa, com os assessores Prof. Adilson Alves das Silva, o advogado Jordão Horácio, a Profa. Geralda Ferraz e as assistentes sociais Ana Maria da Trindade e Vera Lucia dos Santos. Eles discutiram as Políticas Públicas a respeito de educação; direitos humanos, sociais, políticos e civis; participação social; cidadania; assistência social e saúde. A discussão teve como objetivo despertar e motivar os participantes a refletirem sobre seu papel de cidadão e cidadã e a se comprometerem na luta por direitos sociais e transformação da sociedade, à luz do seu compromisso com a ética e a fé cristã.

 

Mediante provocações feitas pelos palestrantes, foram realizadas cinco oficinas, que apresentaram propostas de ação a serem desenvolvidas nas diversas comunidades do Regional Centro-Oeste da CRB/CNBB. Entre as ações sugeridas, destacam-se: maior conhecimento do Sistema Único de Saúde (SUS), inserção nos espaços de participação e controle social, formação continuada, realização de outros seminários que possibilitem aos participantes conhecer a conjuntura atual e intensificar o uso das mídias sociais disponíveis para levar conhecimento às bases.

 

Os participantes saíram motivados a trabalhar pela efetivação das propostas de ação em suas comunidades, visto que que a metodologia, a qualidade da assessoria e a disposição dos presentes superaram todas as expectativas.

 

Ir. Joana Mendes
Assistente Social