Onde voce deseja procurar?

  • Arquidiocese
  • Paróquias
  • Clero
  • Pastoral
  • Liturgia
  • Cursos
  • Comunicação

Você está em:

  1. Home
  2. Comunicação
  3. Notícias
  4. Série História da Igreja em Goiás

22/12/2021

Série História da Igreja em Goiás

A fundação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, germe da Universidade Católica de Goiás

Série História da Igreja em Goiás - Notícias - Arquidiocese de Goiânia

Era desejo de Dom Emanuel Gomes de Oliveira a criação de uma Universidade Católica em Goiás. Por isso, logo no término do Congresso Eucarístico de Goiânia, que aconteceu em 1948, houve uma reunião no Palácio das Esmeraldas, sede do governo de Goiás, para deliberar sobre a criação de uma Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras − FFCL, sob a égide da Igreja Católica, que seria o núcleo da futura Universidade. Participaram desta reunião o cardeal Dom Jaime Câmara, arcebispo de Rio de Janeiro; Dr. Jerônimo Coimbra Bueno, governador do Estado; Dom Emanuel, arcebispo de Goiás; Dom Abel Ribeiro, bispo auxiliar; Dr. Hélio Seixo de Brito, secretário da educação; cônego José Trindade, entre outras autoridades religiosas, civis e militares.

 

Dom Emanuel apresentou, nessa reunião, o seu desejo de criar a FFCL, pois, de acordo com o Decreto n. 19851/1931 da reforma de Francisco Campos, para a criação de uma universidade, era necessária a existência de uma Faculdade de Educação, Ciências e Letras como elemento constituidor dela. Essa foi uma das novidades da reforma de Campos no ensino superior no Brasil. Como Dom Emanuel desejava fundar uma universidade em Goiás, deveria seguir todos os protocolos indicados pela lei vigente.

 

Para alcançar tal finalidade, Dom Emanuel tomou a iniciativa de fundar uma associação civil, que seria a entidade criadora, administrativa e mantenedora da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras projetada. Assim, seria necessário elaborar os estatutos dessa associação. Isso resultou na criação da Sociedade de Educação e Ensino de Goiás – SEEG, que foi fundada na reunião citada acima no palácio do governo, em 6 de junho de 1948. Essa associação, além de ser a mantenedora da nova faculdade, seria responsável por todas as obras educacionais da Arquidiocese de Goiás, que possuía inúmeras escolas de todos os níveis espalhadas por todo o estado. A SEEG seria um grande guarda-chuva que resguardaria todas as escolas que estavam sob a administração da Igreja Católica em Goiás. No dia 10 de julho de 1948, a diretoria da SEEG foi eleita e aprovado o seu estatuto. Dom Abel Ribeiro, bispo auxiliar, foi eleito o diretor da nova faculdade.

 

A Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras foi composta pelos cursos de Geografia e História, Letras Clássicas, Letras Neolatinas, Letras Anglo-Germânicas e Pedagogia. De acordo com os estatutos, o corpo docente era composto por quatro categorias: professores catedráticos, docentes livres, auxiliares de ensino e professores contratados. A Igreja Católica em Goiás era responsável por uma grande rede de escolas católicas. Neste sentido, a Faculdade atenderia também essa demanda, contribuindo para formar professores que, depois, atuariam nessas escolas. Os cursos da FFCL tinham duração de 3 anos, com mais um para o ensino da didática, o que correspondia ao chamado “padrão federal” ou esquema 3+1: 3 anos habilitaria ao grau de bacharel e, mais um ano, ao grau de licenciado.

 

A FFCL, não possuindo sede própria, foi abrigada no Colégio Santo Agostinho, situado na Rua 55, em Goiânia. Inicialmente, Dom Emanuel utilizou-se dos recursos advindos do Santuário do Divino Pai Eterno para manter a Faculdade, até que ele conseguisse recursos por parte do governo. Em 1952, a Arquidiocese ganhou um novo terreno no Setor Leste Universitário, em Goiânia, para a construção da nova sede da Faculdade. Em 1954, começou a construção do prédio, que foi idealizado por Dom Emanuel.

 

Pe. Maximiliano Costa
Mestre em História