Onde voce deseja procurar?

  • Arquidiocese
  • Paróquias
  • Clero
  • Pastoral
  • Liturgia
  • Cursos
  • Comunicação

Você está em:

  1. Home
  2. Comunicação
  3. Notícias
  4. Série Oração do Cristão

15/07/2021

Série Oração do Cristão

Oração pela Família

Série Oração do Cristão - Notícias - Arquidiocese de Goiânia

Que a família comece e termine sabendo onde vai/ E que o homem carregue nos ombros a graça de um pai/ Que a mulher seja um céu de ternura, aconchego e calor/ E que os filhos conheçam a força que brota do amor.

 

Em 1990, foi lançada a música “Oração pela família”, de autoria do Pe. José Fernandes de Oliveira (Padre Zezinho). A canção tornou-se um hino, cantada por católicos e não católicos, traduzida em várias línguas e admirada por várias crenças religiosas. Padre Zezinho, no refrão, canta: “Que a família comece e termine sabendo onde vai”. Esse trecho é repleto de teologia, pois nos faz lembrar o princípio de tudo, da criação, do homem e da mulher e, principalmente, da amizade que Adão e Eva tinham com Deus.

 

A oração da família é, antes de tudo, a oração do começo e do fim, da vida terrena e da morte que nos leva à vida eterna. Inspirado pelo Espírito Santo, Pe. Zezinho faz uma relação entre os membros da família sempre com foco no pai e na mãe, que Deus escolheu para dar continuidade à criação através do matrimônio.

 

Falar sobre matrimônio é fazer referência a uma verdadeira proximidade de duas almas que encontraram, em Deus, o sentido vital para unir homem e mulher com o bem querer divino. Amizade significa afeição, amor, dedicação e simpatia. As virtudes que levaram um casal ao matrimônio devem ser marcas carimbadas na vida e de forma profunda nas atitudes dos cônjuges, pois, desde o início da amizade até o matrimônio, foram construindo uma estrutura espiritual de afetos, amor, desejo e preocupação, de cuidado e a salutar benevolência da simpatia.

 

Nesta sociedade materialista, relativista e de fé subjetiva é comum encontrarmos casais que já deixaram as virtudes da amizade para trás e se perderam no tempo, vivendo na miopia e no costume simplesmente de ter alguém do lado. Na verdade, já estavam separados há muito tempo e não percebiam isso devido à falta de comunicação afetiva, familiar e cristã.

 

Provavelmente, a situação que alimenta maior tristeza é o fato de o casal não perceber que o barco matrimonial está afundando de forma tão lenta a ponto de se tornar imperceptível, já que a relação está estacionada em frente à televisão com suas novelas, seriados, programas jornalísticos e demais atrativos que, implicitamente, são formadores ou pressionadores de opiniões.

 

Não se pode esquecer do mal-uso da internet que hipnotiza uma pessoa e a leva a ser escravo do materialismo, do consumismo e de outras desgraças. Isso ocorre em razão de uma discrepância que reduz o homem a um ser relativista e não questionador da verdade e da liberdade, impossibilitando-o a não ter a capacidade de discernir sua vontade em busca de respostas aos problemas familiares e, de forma especial, os conjugais.

 

É de suma importância que o casal viva intensamente a relação de forma oblativa e virtuosa no aspecto cristão, evitando, assim, um desgaste para reorganizarem a vida conjugal. Mas se for preciso, independente do esforço, faça-o.

 

Umas das maiores alegrias de um casal é o reconhecimento de comunhão com a verdade, principalmente no momento da despedida final deste mundo, com a certeza de que se sentiu amado, amada, respeitado, respeitada e que, com uma tranquilidade reluzente de virtudes possam, no aspecto mais profundo de suas sensações interiores, dizer: “Não lhe chamo somente de esposo, esposa, mas, sim, de meu grande amigo, minha grande amiga. Você não foi simplesmente, mas é e será sempre meu abrigo de virtudes. Começamos e terminamos sabendo onde queríamos chegar, carregamos nos ombros a graça de um pai, o aconchego de uma mãe, a ternura e o calor do céu, ensinando aos nossos filhos a força que brota do amor”.

 

 

Jesus Maria e José, nossa Família vossa é!

 

 

Pe. Vilmar Barreto

 

Confira aqui as orações anteriores:

 

1º - Pai Nosso, a oração do senhor

 

2º-  Ave-Maria, a oração de exultação e súplica

 

3º - Salve Rainha: a oração de quem confia sua vida à proteção da Virgem Maria

 

4º - Eu creio: a profissão de fé cristã

 

 - Santo Anjo do Senhor, companheiro de todo tempo

 

6º - “À vossa proteção”: a oração mariana mais antiga


7º - “Senhor, fazei de mim um instrumento de vossa paz” A oração simples


8º - Como “coisa e propriedade” Vossa!

 

9º - Pelo sinal da Santa Cruz: Livra-nos do mal
 

10º - Ave Regina Caelorum: Oração, poesia e canção
 

11º - Ato de Contrição: Dor da alma e abominação do pecado
 

12º -Tão Sublime Sacramento: libertando o cristão da escravidão do pecado
 

13º - A oração do Regina Caeli
 

14º- Oração a São José dormindo
 

15º- Se Tu Queres, Jesus, Eu Também Quero”: “A oração que se tornou um ideal de vida”
 

16º- Tantum ergo Sacramentum: Hino do Sacramento do Amor
 

17º- Comunhão Espiritual: “desejo de receber a Jesus Sacramentado e em dar-lhe um amoroso abraço, como se já o tivéssemos recebido”


18º- Oração a São Miguel Arcanjo: defendei-nos no combate!