Onde voce deseja procurar?

  • Arquidiocese
  • Paróquias
  • Clero
  • Pastoral
  • Liturgia
  • Cursos
  • Comunicação

Você está em:

  1. Home
  2. Comunicação
  3. Notícias
  4. Série Oração do Cristão

25/05/2021

Série Oração do Cristão

“Se Tu Queres, Jesus, Eu Também Quero”: “A oração que se tornou um ideal de vida”

Série Oração do Cristão - Notícias - Arquidiocese de Goiânia

Em seus escritos biográficos, Santa Teresa do Menino Jesus afirmou que “a oração é um impulso do coração, é um simples olhar lançado para o céu, é um grito de gratidão e de amor, tanto no meio da tribulação como no meio da alegria”. São João Damasceno escreveu que: “a oração é a elevação da alma para Deus”.

 

Diante do colóquio dos santos sobre a temática, não resta dúvida de que a oração é um impulso do coração, que eleva a alma a Deus e que busca corresponder sempre à vontade de Cristo. A partir desta realidade humana e sobrenatural, isto é, pela força do Espírito Santo, a capacidade de elevar nossa alma a Deus e transcender em uma ascese que nos liga ao céu, a beata Chiara Luce, exemplo de santidade, encontrou em Jesus abandonado na cruz sua mais bela oração, através de uma frase, que se tornou seu ideal de vida: “Por ti, Jesus! Se tu queres, eu também quero”.

 

Chiara Luce Badano descobriu, ainda na adolescência, um raríssimo tipo de enfermidade, a “osteossarcoma”, câncer nos ossos. No início do tratamento chegou a questionar: “Por quê, Jesus?” Contudo, Chiara Luce sabia que, se tivesse um olhar lançado para o céu, conseguiria viver os momentos de tribulação com muito amor e que seus pedidos seriam elevados e atendidos por Deus.

 

O que pedir nos momentos de sofrimentos? “Afasta-me, Senhor, dessa doença? Distancia de mim essas dores?” São questionamentos que, com certeza, envolveram os momentos de angústia de Chiara. A jovem, percebendo que era a oportunidade de fazer de sua vida uma verdadeira oração, tomou uma decisão santa e como que em “um grito de gratidão e de amor diante da tribulação”, ela rezou: “Se tu queres, Jesus, eu também quero”. A partir desse instante, a oração se tornou um ideal de vida, uma meta a ser alcançada, um despojar das coisas materiais, uma renúncia de si mesma e uma honesta e sincera decisão de carregar, com muito amor, a cruz que agora fazia parte da vida dela: o sofrimento!

 

Em certa ocasião, no fim da vida terrena, sem conseguir andar e com muitas dores, uma enfermeira disse a ela que deveria ficar sem mexer o dedo, pois era a única veia que pegava a agulha para soro e medicamentos: “você tem que colaborar e ficar imóvel. Se mexer o dedo, a agulha salta, e não vamos poder fazer a terapia”. Chiara Luce ficou três dias com aquela agulha, sem mover o dedo polegar e, em uma daquelas noites, disse: “Para mim é uma pequena provação, embora me faça sofrer muito e me venha o instinto de mexer o dedo. Mas então, para vencer a tentação, digo para mim mesma que aquela borboleta (material que prende a agulha) é um dos espinhos que Jesus tinha na cabeça”. Ela também rejeitava a mor_ na, com o seguinte argumento: “tira a lucidez, e eu só tenho a dor para oferecer a Jesus. Só me sobrou isso. Se não estiver lúcida, que sentido terá a minha vida?”.

 

Quando era preciso administrar o soro de maneira forçada e movimentada, ela dizia: “cada gota pode ser comparada, ao menos um pouco, aos golpes do martelo nos pregos usados para crucificar Jesus”. E acompanhava cada pulsação da veia com um: “por ti, Jesus... por ti, Jesus... por ti, Jesus”.

 

Chiara Luce, com a decisão de viver os mistérios de Cristo através das dores causadas pelo câncer, nunca desviou seu olhar do olhar de Jesus. Sua vida era estar com Jesus abandonado, fazer da cruz também seu suporte, o lugar onde ela, nas dores de Cristo, poderia repousar a cabeça e descansar (cf. Mt 8,20).

 

A santa, que morava no pequeno povoado de Sassello, Itália, em suas últimas palavras, disse à sua mãe: “Tchau! Seja feliz, porque eu sou feliz”. Ao pai ela apertou a mão, como sinal de: “digo o mesmo para o senhor o que disse para minha mãe”. Era domingo, 7 de outubro do ano de 1990, quando, aos 19 anos, Chiara completou sua oração, pois sua vida foi viver no mais radical querer de Cristo. Ela foi beatificada em 25 de dezembro de 2014, pelo Santo Padre, papa Bento XVI.

 

Beata Chiara Luce, rogai por nós.

 

Pe. Vilmar Barreto

 

Confira aqui as orações anteriores:

 

1º - Pai Nosso, a oração do senhor

 

2º-  Ave-Maria, a oração de exultação e súplica

 

3º - Salve Rainha: a oração de quem confia sua vida à proteção da Virgem Maria

 

4º - Eu creio: a profissão de fé cristã

 

 - Santo Anjo do Senhor, companheiro de todo tempo

 

6º - “À vossa proteção”: a oração mariana mais antiga


7º - “Senhor, fazei de mim um instrumento de vossa paz” A oração simples


8º - Como “coisa e propriedade” Vossa!

 

9º - Pelo sinal da Santa Cruz: Livra-nos do mal
 

10º - Ave Regina Caelorum: Oração, poesia e canção
 

11º - Ato de Contrição: Dor da alma e abominação do pecado
 

12º -Tão Sublime Sacramento: libertando o cristão da escravidão do pecado
 

13º - A oração do Regina Caeli
 

14º- Oração a São José dormindo