Onde voce deseja procurar?

  • Arquidiocese
  • Paróquias
  • Clero
  • Pastoral
  • Liturgia
  • Cursos
  • Comunicação

Você está em:

  1. Home
  2. Comunicação
  3. Notícias
  4. História da devoção a Nossa Senhora de Fátima

18/05/2020

História da devoção a Nossa Senhora de Fátima

“Por fim, o meu Imaculado Coração triunfará.”

História da devoção a Nossa Senhora de Fátima - Notícias - Arquidiocese de Goiânia

Em maio de 1917, o papa Bento XV, em meio à Primeira Guerra Mundial, convocou todos os católicos a se unirem em oração e pedirem a Nossa Senhora que intercedesse junto a Deus pelo fim da guerra e trouxesse paz para aquele momento. A partir daí, começa a história de Nossa Senhora de Fátima.

 

No dia 13 de maio, oito dias após a convocação do papa, em resposta às orações, Nossa Senhora fez sua primeira aparição para três pequenos pastorinhos – Lúcia, Francisco e Jacinta –, na pequena aldeia de Fátima, em Portugal, em um local chamado “Cova de Iria”. Segundo relatos dos pastorinhos, a visão era de uma “Senhora mais brilhante que o Sol”, e em suas mãos pendia um Rosário. Serena e tranquila, disse às crianças: “Vim para pedir que venhais aqui seis meses seguidos, sempre no dia 13, a esta mesma hora. Depois vos direi quem sou e o que quero. Em seguida, voltarei aqui ainda uma sétima vez.”

 

Nos meses seguintes, mesmo em meio a perseguições, maus-tratos e acusações de serem mentirosos ao relatarem a aparição, Lúcia, Francisco e Jacinta estavam na Cova de Iria, em Fátima, para esperar por Nossa Senhora. E garantiram que ela cumpriu o prometido. Na segunda aparição, apenas 50 pessoas acompanharam-nos, mas o número de pessoas foi aumentando cada vez mais.

 

Na terceira aparição, foi revelado a Lúcia um segredo, constituído por três partes, que seriam reveladas posteriormente nas demais aparições: a Visão do Inferno, a Devoção ao Imaculado Coração de Maria e a Terceira Parte do Segredo. Na ocasião, Nossa Senhora também prometeu um milagre, para que o povo acreditasse nas crianças.

Então, em sua última aparição, em 13 de outubro, o milagre aconteceu. Estavam com eles mais de 70.000 pessoas e, em meio à multidão, do meio das nuvens negras, o sol surgiu e começou a girar sobre si mesmo como se fosse uma imensa bola de fogo. E foi também nessa última aparição que Nossa Senhora de Fátima revelou ser a “Senhora do Rosário” e pediu que fosse construída uma capela no local. Também na sua última aparição, Nossa Senhora de Fátima (como passou a ser denominada por seus devotos), pediu às crianças que anunciassem seu pedido à humanidade: “Rezem o Terço todos os dias, para alcançarem a paz para o mundo e o fim da guerra”.

 

Mudanças na forma de louvar

 

Na Arquidiocese de Goiânia, duas paróquias e várias comunidades têm como padroeira Nossa Senhora de Fátima e precisaram fazer mudanças na forma de celebração da festa anual, em decorrência da pandemia causada pelo novo coronavírus.

 A paróquia, que fica no Setor Solange Park 1, fez a novena anual em louvor à sua padroeira com as celebrações da Santa Missa sine populo (sem a participação presencial do povo), às 8h e às 20h, contando com a assistência do Grupo de Oração Kairós. Segundo o administrador paroquial, Pe. Givanildo Salvino, a paróquia esteve aberta para que os fiéis pudessem passar e rezar o seu terço diante da imagem de Nossa Senhora.

 

Já a Paróquia Nossa Senhora de Fátima do Setor Aeroporto decidiu adiar a celebração da festa em louvor à padroeira para o dia 13 de outubro, data da última aparição de Nossa Senhora aos três pastorinhos, em Fátima, como informou seu pároco, Frei Dorcilio.

 

Marcos Paulo