Onde voce deseja procurar?

  • Arquidiocese
  • Paróquias
  • Clero
  • Pastoral
  • Liturgia
  • Cursos
  • Comunicação

Você está em:

  1. Home
  2. Arquidiocese
  3. Palavra do Arcebispo
  4. Somos todos romeiros do Pai Eterno

25/06/2019

Somos todos romeiros do Pai Eterno

Somos todos romeiros do Pai Eterno - Palavra do Arcebispo - Arquidiocese de Goiânia

A Festa em Louvor ao Divino Pai Eterno, em Trindade, celebrada no Santuário Basílica do Divino Pai Eterno, recorre, anualmente, o calendário litúrgico de nossa Arquidiocese. Este ano, a festa acontecerá entre os dias 28 de junho e 7 de julho, com o tema: “Sede santos como vosso Pai é santo”.

 

Por ocasião da festa, muitas pessoas saem de outras cidades e vêm a Trindade para rezar, pagar promessas e agradecer ao Pai Eterno pelas graças recebidas. Temos notícias de que muitos cristãos saem de cidades distantes e caminham por dias até chegaram ao Santuário, associando-se aos milhares de peregrinos que, dia e noite, fazem o percurso da Rodovia dos Romeiros, entre as cidades de Goiânia e Trindade. De longe ou de perto, todos os que caminham, em virtude das mais diversas motivações religiosas, têm o mesmo objetivo: encontrarem-se com o Pai Eterno. A caminhada a pé para Trindade, especificamente ao Santuário do Divino Pai Eterno, é um fato que nos oferece uma bela oportunidade para refletirmos sobre nossa vida cristã.

 

A romaria para o Santuário do Pai Eterno é um caminho que ninguém faz sozinho, mas divide com pessoas mais ou menos conhecidas. Em alguns momentos, ele é fácil e prazeroso, em outros é íngreme e exigente. Ao longo do percurso, quem caminha pode experimentar a coragem e o entusiasmo do início e o cansaço e o desânimo no seu decurso. Não raras vezes, as exigências e os obstáculos podem exercer tamanha influência que o romeiro pode pensar até mesmo em desistir. No entanto, o coração elevado a Deus por meio da oração, a presença de Nossa Senhora por meio da oração do terço, o apoio dos irmãos e o desejo do encontro com o Pai são como que remédios que curam as feridas do caminho e sustentam o romeiro até que ele chegue na casa do Pai.

 

Como a romaria para Trindade, a nossa vida como cristãos pode ser comparada a um caminho, feito com Cristo, até entrar na comunhão definitiva com a Santíssima Trindade. Este caminho com o Senhor Jesus, nós não fazemos sozinhos, mas em comunidade, como irmãos. Ao longo do percurso, passamos por diversas situações que exigem que mantenhamos firmes nossa fé e nossa esperança, fundadas no amor a Deus e aos irmãos. Devemos prosseguir decididamente, como afirmava São Paulo (cf. Fl 3,16). A oração contínua, que nos recorda a meta da vida cristã e nossa pátria definitiva, a devoção filial a Nossa Senhora e vida fraterna são o bálsamo que aliviam o peso do caminho e nos permitem caminhar decididos até vermos Deus face a face.

 

Gostaria de convidar todos os que podem a fazerem a romaria para Trindade, meditando com base na comparação feita acima. Aproveitem para rever a vida à luz do Evangelho e do caminho feito com Jesus e, ao fim, poderiam procurar a reconciliação com o Pai Misericordioso, por meio do Sacramento da Confissão. Assim, cada romeiro se prepara para o verdadeiro encontro com o Pai Eterno, que hoje se dá, particularmente, na comunhão com Jesus na Eucaristia. Mesmo que não façamos a romaria para Trindade, é preciso lembrar que somos todos romeiros do Pai Eterno, somos todos romeiros do céu.

 

Dom Washington Cruz, CP
Arcebispo Metropolitano de Goiânia