Onde voce deseja procurar?

  • Arquidiocese
  • Paróquias
  • Clero
  • Pastoral
  • Liturgia
  • Cursos
  • Comunicação

Você está em:

  1. Home
  2. Comunicação
  3. Vida Cristã
  4. Missão África

28/02/2018

Missão África

Pe. Max conta a sua experiência na África e em Guiné-Bissau

Missão África - Vida Cristã - Arquidiocese de Goiânia

Esses dias tenho vivido uma experiência magnífica na África, em Guiné-Bissau. Por esse motivo, gostaria de partilhar com vocês o que tenho visto, sentido e aprendido aqui. No interior da Guiné,

Não se tem muros que cerquem as casas com concertina, mas se tem vizinhos para partilhar a vida.

Não se tem energia elétrica, mas se tem brilho nos olhos e sorriso nos lábios que iluminam a alma.

Não se tem água encanada, mas se tem fraternidade à beira do poço.

Não se tem televisão e tablet para as crianças, mas se tem brincadeiras e pé no chão.

Não se tem comida industrializada, fabricada aqui, mas se tem o pão mais gostoso do mundo, sovado à custa de muito suor.

Não se tem ruas asfaltadas, mas se tem pé cheio de poeira que sente o gosto e o cheiro da terra, que faz todos ser mais "gente" do que os "civilizados".

Não se tem escolas para todas as crianças, mas se tem a presença constante da mãe que sempre as carrega nas costas e as educa.

Não se tem casas vazias, mas famílias numerosas.

Não se tem "desolação", mas se tem muita conversa e riso.

Não se tem um hipercuidado de "superproteção" das crianças, mas se tem muita vida, alegria, brincadeiras entre elas, que as ajudam a viver sua infância como criança.

Não se tem fogão a gás para cozinhar, mas se tem a alegria de reunir a família em torno do fogareiro para fazer a comida.

Não se tem carro para andar sozinho, mas a companhia daqueles que trilham juntos o caminho.

Não se tem alimento para todos, mas se tem a partilha e fraternidade, que faz o milagre da multiplicação.

Não se tem engenharia para construir as casas, mas se tem o mutirão da família que trabalha junta para construir sua própria casa.

Não se tem uma agenda interminável de compromissos, que os escravize, mas se tem o fim da tarde para sentar na varanda com a família e conversar com os vizinhos.

Não se tem roupas de "marca", mas se tem tecidos coloridos belíssimos e mulheres que se vestem e se portam com muita elegância...

Aqui, em meio a tanta pobreza material, se tem uma riqueza imaterial incalculável, na qual nós, ditos "civilizados" e "tecnologizados", deveríamos aprender. Vendo de maneira muito especial a alegria e a esperança que brotam do olhar das crianças, digo que devemos voltar à essência, ao antropológico, ao que nos humaniza e nos faz ser "mais gente". E cada vez mais estou convencido de que o Reino de Deus é dos pobres e pequenos, e isso não lhes será tirado.

Pe. Max Costa
 Administrador paroquial da Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora em Senador Canedo