Onde voce deseja procurar?

  • Arquidiocese
  • Paróquias
  • Clero
  • Pastoral
  • Liturgia
  • Cursos
  • Comunicação

Você está em:

  1. Home
  2. Comunicação
  3. Notícias
  4. Unijuc promove palestra sobre Defesa da Vida

08/06/2018

Unijuc promove palestra sobre Defesa da Vida

União dos Juristas Católicos da Arquidiocese de Goiânia

Unijuc promove palestra sobre Defesa da Vida - Notícias - Arquidiocese de Goiânia

Dando continuidade ao ciclo de formações sobre o tema “Defesa da Vida”, a União dos Juristas Católicos da Arquidiocese de Goiânia (Unijuc), promoveu palestras sobre o assunto, no dia 2 de junho, na Paróquia Nossa Senhora da Assunção, na Vila Itatiaia, em Goiânia.

Na abertura do evento, o pároco, padre Marcos Rogério, deu uma bênção e as boas-vindas a todos os presentes. A Dra. Rita de Cássia Machado, vice-presidente Unijuc, falou sobre a atuação da entidade em questões do mundo contemporâneo, sob a ótica dos princípios da ética católica. “O papel da União de Juristas é a discussão e o enfoque dos valores da família, da vida, da dignidade humana e do bem comum, à luz da doutrina católica, defendendo e protegendo a vida humana desde a concepção até a morte natural”.

Foto: PASCOM - Paróquia N. Sra. da Assunção

A Dra. Liliana Bittencourt tratou sobre questões fundamentais do ensino moral da Igreja. O tema de sua palestra foi “À luz da verdade – a vida humana”. Ela se embasou na Carta Encíclica Veritatis Splendor, de São João Paulo II, documento que completa 25 anos, em 2018.  Dr. Rodrigo Souza e Dra. Marina Ribeiro, por sua vez, trataram da desmistificação do aborto legal, demonstrando, com base na legislação brasileira, que não há legalidade nesse tipo de prática. “O que há, tão somente, são situações onde não se aplicam a pena pelo crime”, declarou Dr. Rodrigo. Durante suas falas, os juristas defenderam que não há qualquer direito de matar um inocente nas hipóteses do dispositivo penal. Citaram o artigo 128, no qual não está contido o direito de abortar, mas tão somente uma aplicação da pena após o fato já consumado. “Isto porque, a expressão ‘não se pune’, que inicia o caput do artigo, não nos permite ir além. É a partir da concepção que começa a proteção constitucional do direito à vida!”, justificou Dra. Marina.

 

Fúlvio Costa