Onde voce deseja procurar?

  • Arquidiocese
  • Paróquias
  • Clero
  • Pastoral
  • Liturgia
  • Cursos
  • Comunicação

Você está em:

  1. Home
  2. Comunicação
  3. Notícias
  4. Brasil ganha 30 novos Santos Mártires

11/10/2017

Brasil ganha 30 novos Santos Mártires

A canonização acontece dia 15 de outubro, no Vaticano

Brasil ganha 30 novos Santos Mártires - Notícias - Arquidiocese de Goiânia

A Igreja Católica no Brasil ganha 30 novos Santos Mártires, neste mês de outubro. O massacre ocorreu em duas datas, no ano de 1645, no estado do Rio Grande do Norte. A beatificação dos Mártires de Cunhaú e Uruaçu, os Protomártires do Brasil, aconteceu no dia 5 de março de 2000, na Praça de São Pedro, no Vaticano, pelo Papa João Paulo II. A canonização acontece dia 15 de outubro, também na Praça de São Pedro, no Vaticano, em celebração presidida pelo Papa Francisco. Além da canonização, no dia 15, também acontecerão outras duas celebrações, em Roma. Antes, no dia 14, às 17 horas, serão rezadas as vésperas solenes, na capela do Pontifício Colégio Pio Brasileiro. E, no dia 16, às 11 horas, na Basílica Vaticana, será celebrada missa em ação de graças, presidida pelo Cardeal Dom Sérgio da Rocha, presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Para o arcebispo metropolitano de Natal, Dom Jaime Vieira Rocha, é uma grande graça para o povo católico brasileiro, a canonização desses 30 mártires que, no século 17, deram o seu sangue em nome da fé.  “Que esses 30 novos santos roguem a Deus por nós, por nossa Igreja, por nossos pastores”, diz o arcebispo.            

A história

Em 16 de julho de 1645, o Pe. André de Soveral e outros 70 fiéis foram cruelmente mortos por mais de 200 soldados holandeses e índios potiguares. Os fiéis participavam da missa dominical, na Capela de Nossa Senhora das Candeias, no Engenho Cunhaú, no município de Canguaretama, localizado a Zona Agreste do Rio Grande do Norte. Por seguirem a religião católica, tiveram que pagar com a própria vida o preço da fé, por causa da intolerância calvinista dos invasores.

Quase três meses depois, no dia 3 de outubro, aconteceu outro martírio, durante o qual 80 pessoas foram mortas por holandeses. Uma das vítimas foi o camponês Mateus Moreira, que teve o coração arrancado pelas costas, enquanto repetia a frase “Louvado seja o Santíssimo Sacramento”. Este morticínio aconteceu na Comunidade Uruaçu, em São Gonçalo do Amarante, a 18 km de Natal.

A partir da beatificação, a Igreja Católica passou a celebrar a memória dos Bem-aventurados Padre Ambrósio Francisco Ferro, Padre André de Soveral, o leigo Mateus Moreira e seus 27 companheiros, no dia 3 de outubro, data do martírio, em Uruaçu.

Desde 2007, eles se tornaram os padroeiros do Rio Grande do Norte, sendo o dia 3 de outubro feriado estadual. Nesta data, anualmente, na comunidade de Uruaçu, há celebrações, durante todo o dia, e reúnem milhares de pessoas.

Patrono dos Ministros

A 43ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil, realizada em Itaici (SP), em 2005, aprovou o Bem-aventurado Mateus Moreira como “Patrono dos Ministros Extraordinários da Comunhão Eucarística”. Em dezembro de 2005, a CNBB comunicou que a Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, da Santa Sé, havia aprovado o nome do Beato como patrono dos Ministros.

 

Beatificação e canonização

Em 15 de maio de 1988, Dom Alair Vilar tomou posse como terceiro arcebispo da Arquidiocese de Natal. Na missa da posse, durante a homilia, ele disse que seu grande projeto frente à Arquidiocese seria resgatar a memória dos Mártires de Cunhaú e Uruaçu. Logo no início do seu governo, instalou um tribunal especial para iniciar a pesquisa histórica em relação ao martírio. Depois que foi encerrada a fase de investigação, em nível arquidiocesano, o postulador da causa de beatificação, Monsenhor Francisco de Assis Pereira elaborou a positio, que é o relatório final, enviando-o à Congregação da Causa dos Santos, em Roma.

Como eram mártires, não foi exigida a comprovação de um milagre para a beatificação. O Papa João Paulo II, ao visitar Natal, em outubro de 1991, por ocasião do encerramento do 11º Congresso Eucarístico Nacional, chamou os mártires de ‘testemunhas da fé, do Rio Grande do Norte’.

A beatificação ocorreu em 5 de março de 2000, na Praça de São Pedro, no Vaticano, o Santo Padre, João Paulo II, proclamou-os Bem Aventurados Mártires de Cunhaú e Uruaçu, os Protomártires do Brasil.

Logo após a beatificação, o então arcebispo, Dom Heitor Sales, renomeou o Monsenhor Assis Pereira para dar início ao processo de canonização dos Mártires.  O processo se desenvolveu na Congregação da Causa dos Santos, em Roma.

“Numa conversa com o Papa Francisco, o cardeal Dom Cláudio Hummes, arcebispo emérito de São Paulo e prefeito emérito da Congregação para o Clero, falou para o Santo Padre sobre os nossos mártires, enfatizando que mesmo sendo eles do século XVII, ainda mantinha a tradição e a devoção, nesse recanto do Nordeste do Brasil. O Papa Francisco ficou profundamente interessado e enviou uma determinação à Congregação da Causa dos Santos de que desse prioridade ao processo dos Mártires brasileiros,” conta o Vigário Judicial da Arquidiocese de Natal, Padre Júlio César Souza Cavalcante.

Foi, então, nomeado o Padre Giovanni Califano, da Ordem dos Frades Menores, residente em Roma, para acompanhar o processo na Congregação para a Causa dos Santos. Em nível arquidiocesano, o atual arcebispo, Dom Jaime Vieira Rocha, nomeou o Padre Júlio César para colaborar com o Padre Califano. “Neste período, de 2015 até agora, o Padre Califano foi nos orientando como deveríamos agir. Começamos a produzir material em vídeo e em fotos em busca dos milagres que haviam sido relatados. Três milagres foram fundamentais para essa história: de um fiel do Santuário dos Mártires, no bairro de Nazaré, em Natal; outro da Paróquia do Beato Mateus Moreira, em Cidade Verde, Parnamirim (RN), e o outro era da madre fundadora da Congregação do Bom Conselho, no Rio de Janeiro. Todo esse material foi enviado a Roma e foi elaborada uma nova positio, que foi analisada e aprovada pela Congregação para a Causa dos Santos, especialmente pelo Colégio de Cardeais. O Papa Francisco dispensou a necessidade da comprovação do milagre. Foi, realmente, comprovado que os mártires eram homens e mulheres, jovens e meninos, que deram sua vida pelo Evangelho,” detalha Padre Júlio César.

Em 20 de abril de 2017, o Papa Francisco presidiu o Consistório Ordinário Público, no Vaticano, e definiu a data da canonização dos Protomártires do Brasil: 15 de outubro deste ano, na Praça de São Pedro.

 

Jornalista Cacilda Medeiros
Arquidiocese de Natal (RN)